Polícia turca solicitou à Apple desbloquear iPhone de assassino do embaixador russo

Recentemente acompanhamos na mídia o caso de Andrei Karlov, embaixador da Turquia morto na cidade de Ancara, durante um discurso em uma galeria de arte por um policial de 22 anos de idade chamado Mevlut Mert Altıntasan. De acordo com o site MacReports, a polícia turca solicitou que a Apple desbloqueie um iPhone 4s que foi recuperado com o atirador.

Segundo informações, o dispositivo está bloqueado com um código de 4 dígitos, mas não há dados precisos se o dispositivo está com iOS 8.0 ou uma das edições anteriores do iOS que não impõem a criptografia completa do disco.

Um outro funcionário turco disse à MacReports que a Rússia enviará uma equipe técnica especial à Turquia para ajudar a desbloquear o iPhone do assassino. Pelo histórico da empresa, é bastante improvável que a Apple ajude as autoridades turcas a desbloquear o telefone de Altıntasan, dada a postura da empresa sobre segurança e privacidade. Em um outro caso, na cidade de San Bernardino – cidade na Califórnia, a Apple se recusou a ajudar o FBI a desbloquear um iPhone de um atirador.

O caso

Resultado de imagem para Andrei Karlov g1

Falando um pouco sobre o caso, o assassino de Karlov mostrou sua identificação de policial para enganar o esquema de segurança, fingindo ser o guarda-costas oficial do embaixador. Após atirar contra Karlov, o homem gritou para as câmeras: “Não se esqueçam de Aleppo, não se esqueçam da Síria! A menos que todos nós estejamos seguros, vocês não sentirão segurança. Saiam, saiam! Todos aqueles responsáveis por essa opressão e tortura, pagarão por isso”. Ele ainda gritou “Alahu Akbar” (Deus é Grande, em árabe), antes de ser morto pelas forças turcas de segurança.

Supondo que o iPhone 4s do atirador tenha uma versão anterior ao iOS 8, desbloquear o telefone deve ser bastante trivial, usando um dispositivo especial que executa ataques de força bruta na senha. Com apenas 10.000 combinações possíveis, a senha de 4 dígitos é facilmente “quebrada”. Isso explica porque aqueles que estão preocupados com segurança devem mudar para senhas de 6 dígitos, que aumentam o número de combinações possíveis para mais de um milhão e dificultam o desbloqueio.

O iOS 8, 9 e 10 protege tudo no dispositivo com chaves de criptografia derivadas de uma senha de usuário. O iOS também pode limpar o dispositivo após dez tentativas de senha sem sucesso, mas esse recurso deve ser habilitado manualmente em Ajustes.

Em minha opinião, em casos como esse a Apple deveria fornecer o acesso. É algo esporádico e a ser analisado caso a caso, mas a decisão final realmente é da empresa, pois a situação é bastante complexa em relação aos termos de segurança e privacidade da maçã.

Por hoje é só, até a próxima.

Leia também:

Comentários: