Da garagem à glória, Apple completa 40 anos de história neste 1º de abril

Era um 1º de abril, lá do ano 1976, se reuniram Steve Jobs, Steve Wozniak e Ronald Wayne no cartório do condado de Santa Clara para assinar um contrato onde dava início a história da Apple Computer Inc.

Segundo o documento disponibilizado na internet, o contrato inicial incluía 45% de ações para Jobs, Wozniak ficava com 45% e Wayne somente 10% da companhia. Duas semanas mais tarde, Wayne vendeu sua parte por $800 a Wozniak e Jobs, em partes iguais.

abertura-apple

40 anos em 40 segundos

https://www.youtube.com/watch?v=mtY0K2fiFOA

Vídeo publicado pela Apple em comemoração por seus 40 anos, resumindo em apenas 40 segundos seus maiores sucessos, um vídeo simples mas que resume boa parte daquilo que faz da Apple, Apple!

40 anos da Apple por Walt Mossberg

Talvez você já o conheça, mas para todos os demais, Walt Mossberg é um importante jornalista norte-americano que até 2014 trabalhou no Wall Street Journal, para logo lançar o Re/code, um dos mais respeitáveis meios de comunicação sobre tecnologia.

No vídeo Mossberg mostra e conta sobre os dispositivos Apple que em sua opinião deixaram sua marca. Vale muito a pena assistir embora esteja em inglês.

Revolução em loop

A história da Apple sempre foi marcada por revoluções, é incrível como a empresa conseguiu em cada momento importante deixar sua marca.

Foi assim quando fundaram na garagem de casa a empresa que revolucionaria o mercado da computação, colocando no mercado o primeiro computador pessoal da história. A gigante IBM acreditava que pessoas comuns não se interessariam em ter um computador, e a XEROX detinha um projeto de interface gráfica a ponto de morrer em seus laboratórios.

O que acontecia naquele momento era que os engenheiros da Xerox já estavam trabalhando no projeto da interface gráfica controlada pelo mouse há anos, somente que os diretores ainda não haviam percebido o real valor do projeto.

Jobs mais tarde confessou que havia se inspirado no projeto, e que acredita que a Xerox perdeu a grande oportunidade de sua história de se tornar a maior empresa de computação do mundo, sendo maior que a IBM e Microsoft.

O grande diferencial de Jobs realmente sempre foi este, o de poder identificar o sucesso das coisas, antes mesmo delas se tornarem realidade.

No começo de tudo, Wozniak havia desenhado em papel o que seria uma versão primitiva da linguagem de programação BASIC, compatível com os processadores Motorola 6800, descrevendo os circuitos que eram necessários para seu funcionamento. Logo, transformaría esse código para que fossem compatíveis com o processador MOS 6502, muito mais barato e que rodava numa velocidade de 1 Mhz.

Amigos desde quando abandonaram a faculdade, naquela época já tinham alguns negócios juntos, mas naquele momento Jobs deu o grande passo, convenceu Wozniak de não licenciar o desenho para que outros pudessem fabricar o produto, passando a fabricar o mesmo e colocá-lo a venda.

apple-imac-evolution

Jobs sempre muito ágil nas negociações conseguiu convencer o dono de uma loja local para comprar 50 unidades do que seria o Apple I, depois de comprar as peças necessárias para montar o computador com prazo de pagamento para 30 dias.

Ali nascia o Apple I, o primeiro computador da empresa, ainda bastante primitivo e muito antes da interface gráfica, que vendeu no final das contas 200 unidades.

Os acertos de Jobs, permitiram que a empresa continuasse revolucionando o mercado da computação em loops, sucesso após sucesso, colocou no mercado produtos que mudaram tudo, como:

  • Macintosh;
  • iPod;
  • iPhone;
  • iPad;

É claro que a Apple passou por momentos muito conturbados, inclusive Steve Jobs foi despedido da empresa que havia ajudado a fundar. Anos depois, a Apple comprara a nova empresa de Steve (NeXT) para trazê-lo de volta.

steve-apple

Foi nesse momento em que a Apple chocou o mundo com os iMacs coloridos, logo veio a surgir o iPod, salvando a indústria da música numa época em que reinava a pirataria, então o iPhone, totalmente revolucionário e que influenciou toda a indústria, e mais além nosso querido iPad, que popularizou os tablets num momento em que ninguém dava bola pra eles.

Wozniak abandonou o barco

Depois do sucesso do Apple I e Apple II, a empresa se tornaria milionária, somente em 1980 a Apple vendeu mais de 180 milhões de dólares em computadores, se tornando de capital aberto e incorporando-se na bolsa de valores no mês de dezembro.

Dois anos depois a Apple já tinha vendido 700.000 computadores e conseguiu bater a marca de 1 bilhão de dólares em vendas anuais, as ações já chegavam em 70$ e tudo corria muito bem.

Wozniak

Foi aí então que veio a saída de Wozniak, era 1981 quando ele e seus familiares sofreram um acidente de avião, que lhe deixou com várias sequelas e uma amnésia temporária de mais de um mês.

Sua saída forçada abriu portas para Steve Jobs praticamente dominar a empresa, logo depois Wozniak voltou, mas em 1983 decidiu vender a maioria de suas ações e abandonou a empresa para sempre.

A chegada do Macintosh

Em 1984 o Macintosh foi colocado à venda com uma das campanhas publicitárias mais marcantes de todos os tempos, as vendas iniciais foram um grande sucesso e o produto tomou fama que dura até os dias de hoje.

Porém, nem tudo correu perfeitamente, as vendas começaram a cair com o tempo e a gigante IBM começou a comer terreno, fazendo com que a Apple sofresse uma grande reestruturação.

Bye bye Jobs

Steve Jobs precisava encontrar um substituto para ele mesmo dentro da empresa, foi aí que teve a magnífica ideia de convencer John Sculley, CEO da Pepsi, a fazer parte da companhia utilizando a famosa frase “Quer continuar vendendo água com açúcar o resto de sua vida, ou quer vir comigo mudar o mundo?”.

steve-jobs-sculley

Foi então que o barco começou a afundar, Sculley tomou controle da empresa, começou uma batalha interna com Jobs, que negava abrir o projeto Macintosh. Numa reunião os diretores da empresa decidiram tirar de Jobs a responsabilidade pela divisão Macintosh e o mesmo decidir demitir-se, vendendo todas as suas ações, menos uma.

Sem Jobs e com a chegada do Windows 3.0, tanto o Apple II quanto os Macs perderam sua cota de mercado e quase foram extintos.

Erro após erro custaram o emprego de Sculley, a Apple trouxe para a empresa o ex-presidente da Apple Europa, Michael Splinder, para tentar salvar a empresa. Neste mesmo momento Jobs estava a todo vapor trabalhando em sua nova empresa a NeXT Computer.

Erros e mais erros

A história da Apple é bastante interessante e foi marcada por muitos erros, evidentemente, após a saída de Jobs e a demissão de Sculley, Michael Splinder deveria ser a salvação para a maçã, mas isso não ocorreu.

Um Mac licenciado na época de Gil Amelio.

Um Mac licenciado na época de Gil Amelio.

Splinder tentou vender a Apple para a IBM, Phillips e Sun Microsystems, porém nenhuma empresa quis comprá-la, e o futuro de Splinder dentro da empresa durou pouco. Mas, pouco mesmo durou Gil Amelio, que teve a incrível ideia de fazer aquilo que Sculley não conseguiu.

Em 1995 Gil Amelio licenciou o Mac OS para outras empresas, que passaram a fabricar diversos modelos, logrando assim aumentar a cota de mercado do sistema.

A empresa estava totalmente perdida, desesperados sem saber qual seria o próximo passo, a empresa tentou comprar outros sistemas operacionais, e foi assim que Steve Jobs voltou para a empresa.

Apple acabara de comprar o NeXTstep, sistema operacional criado pela nova empresa de Steve Jobs, a NeXT Computer. Essa decisão marcou o futuro da computação e trouxe uma avalanche de novidades que lembramos até os dias de hoje.

Hello Steve, welcome back

Steve voltou com muita vontade de mostrar trabalho, começou a descontinuar muitos dos projetos malucos que haviam começado durante sua ausência, na maior demonstração de que menos é mais.

Gil Amelio trouxe Steve de volta, que rapidamente foi escolhido como CEO temporário e começou a fazer a limpa geral, o primeiro passo de Jobs foi cancelar as licenças do Mac OS, que acabou por despencar as vendas dos Macintosh, mas isso não lhe preocupava pois tinha outros planos.

gil-amelio

Meses depois, Steve ocupava o cargo de CEO definitivo e anunciou um dos acordos mais loucos de toda a história, mas era necessário e foi basicamente o que salvou a empresa. O momento era muito importante para a informática, já que a Microsoft estava sendo acusava de monopólio e não poderia deixar a Apple morrer.

Steve Jobs e Bill Gates assinaram um acordo de 150 milhões de dólares, que incluía o Internet Explorer como sendo navegador de internet no Mac e o compromisso da Microsoft de desenvolver uma versão do Office para o Mac.

Jobs começou a formar uma nova equipe que se encarregaria de salvar de vez a empresa, desenvolvendo a revolução chamada: iMac.

https://www.youtube.com/watch?v=cQFBKQ3kmKg

O encarregado do design do iMac colorido foi Jony Ive, o mesmo do iPod, iPhone, iPad e tantos outros produtos de sucesso.

A partir dali o Mac começou a se tornar um objeto de desejo, ano após ano a Apple retomava parte do mercado, mas não foram as cores que ajudaram a retomar o sucesso, foi justamente a união do melhor do Mac OS com o melhor do NeXTstep, criando assim o Mac OS X, um sistema operacional pensado desde o princípio para a era da internet.

Com certeza nesse momento a Apple deixava a Microsoft para trás, que havia liderado durante anos o mercado com o popular Windows.

Salvação da indústria da música: iPod

A nova Apple de Jobs não iria se deter com a chegada do iMac coloridão, muito pelo contrário, veio para revolucionar mercados.

Era a época da pirataria na internet o Napster facilitava o compartilhamento de toda e qualquer faixa de música sem dificuldade alguma, quem iria comprar músicas num momento em que as mesmas haviam perdido valor graças a gratuidade da rede?

steve-jobs-generation-ipod-2003

Foi então que Apple Computer Inc se transformaria em Apple Inc, a retirada do nome computer tinha tudo a ver com o que empresa iria fazer nos anos seguintes, explorar novos mercados e lançar produtos realmente importantes.

A companhia compraria a Pixo, uma empresa aberta por ex-empregados da Apple e que haviam criado o sistema operacional que daria origem a segunda peça da revolução: o iPod.

Essa foi a tacada de mestre de Jobs, para o ressurgimento da maçã, entrar no mercado dos eletrônicos de consumo, já que os Macs não eram realmente baratos. Juntamente do iTunes a Apple estava mudando de vez a indústria de música, tornando graças a acordos e mais acordos, a venda de música digital uma realidade.

Apple reinvents the phone

Steve Jobs sempre foi um grande mestre das apresentações, em 2007 deu uma de suas keynotes mais épicas com o anúncio: “um iPod, um telefone, um dispositivo para acesso da internet, três dispositivos em um, que chamamos de iPhone”.

Naquela época os telefones definitivamente vinham equipados com um teclado, o iPhone foi motivo de muitas piadas que mais tarde se mostraram grande ignorância. Steve Ballmer, CEO da Microsoft riu publicamente afirmando que o iPhone era extremamente caro e que ninguém pagaria por ele.

A BlackBerry que era líder absoluta no mercado de smartphones não conseguiu acompanhar a concorrente e despencou após lançar o Storm, um modelo de tela táctil que teve taxa de devolução de 100%.

** FILE ** Apple CEO Steve Jobs holds up an Apple iPhone at the MacWorld Conference in San Francisco, in this Jan. 9, 2007 file photo. (AP Photo/Paul Sakuma, File)

Apple CEO Steve Jobs holds up an Apple iPhone at the MacWorld Conference in San Francisco, in this Jan. 9, 2007 file photo. (AP Photo/Paul Sakuma, File)

O iPhone se tornou um grande sucesso nestes 9 anos de existência, sendo hoje o principal produto da companhia. Este mesmo sucesso veio praticamente a matar o produto iPod, que sobreviveu durante muitos anos graças ao valor acessível de produtos como iPod Mini e Nano, mas que hoje em dia está muito em baixa.

A chegada do iPad

Três anos após deixar todos de boca aberta com o lançamento do iPhone a Apple surpreendeu de vez com o lançamento do iPad, o produto no qual a empresa começou a trabalhar a tecnologia multi-táctil.

Apple CEO Steve Jobs shows off the new iPad during an event in San Francisco, Wednesday, Jan. 27, 2010. (AP Photo/San Francisco Chronicle, Paul Chinn) MANDATORY CREDIT

Apple CEO Steve Jobs shows off the new iPad during an event in San Francisco, Wednesday, Jan. 27, 2010. (AP Photo/San Francisco Chronicle, Paul Chinn)

Poucos sabem, mas conforme comentamos algum dia aqui no blog o iPad era para ser lançado antes do iPhone, mas Steve entendeu naquele momento que as pessoas não perceberiam o produto e decidiu que deveria primeiro introduzir a tecnologia das telas multi-tácteis primeiro no telefone.

Na chegada do iPad com suas 9,7 polegadas, a Apple bateu todos os recordes de vendas, com 3 milhões de unidades no primeiro trimestre. O mesmo sucesso que a maçã teve ao transformar o mercado da telefonia iria ocorrer no mercado dos tablets.

A morte de Jobs

Tristemente um dia após a apresentação do iPhone 4S, no dia 5 de outubro de 2011, Steve Jobs faleceu após uma longa batalha contra o câncer de pâncreas. Tim Cook, assumia a empresa e embora os mais saudosos digam que a empresa nunca mais será a mesma, a Apple continua alcançando resultados como nunca antes.

steve-jobs-died

Tim Cook já está no comando da Apple há 5 anos e durante esse período introduziu inúmeras mudanças, a primeira e mais marcante foi a adoção de um design mais minimalista em seus sistemas operacionais, algo que custou o emprego do braço direito de Jobs: Scott Forstall.

A única nova linha de produtos criada após a morte de Jobs foi a do Apple Watch, um produto que com certeza é líder em seu segmento, mas que ainda não termina de convencer muita gente. O produto sem embargo teve um grande sucesso em vendas, alcançando as 12 milhões de unidades nos três primeiros meses de vida.

O que vem pela frente?

Bom, pouco se pode especular sobre o futuro da Apple nos próximos 10 anos, mas é possível que estejamos falando sobre uma fabricante de veículos, numa empresa centralizada na “internet das coisas”…

Não podemos ignorar o fato dela poder se tornar uma nova BlackBerry ou Nokia, desaparecendo do mapa e ficando somente na memória das pessoas, seria uma tristeza, mas quem pode prever o futuro?

Quando a Apple entrou em sua vida? Nos conte qual sua relação com a marca, os produtos que possui e qual sonha em comprar?

Um abraço, até já.

By |2016-04-01T15:40:35-03:0001/04/2016|Noticias|

Sobre o Autor:

Possuo Mestrado em Jornalismo e Comunicação Digital pela EAE Business School de Madrid, como também Mestrado em Imagem, Publicidade e Identidade Corporativa pela Universidad Camilo José Cela de Madrid. Sou fã de tecnologia e amante de viagens, fundador do iPadDicas e Roteiros e Mais. Quer conhecer mais? Segue aí.

12 Comments

  1. Maria helena 12 de abril de 2016 em 9:32 - Responder

    Excelente artigo André, aliás como sempre brilhante. Adoro a Apple tenho desde o IPhone 1 e IPad 1 e o bom é que funcionam, somente o sistema deles ficou para traz. Assim mesmo são melhores que muito novos que estão à venda. E para terminar, o atendimento deles é sem dúvida o melhor que conheço. Nunca me deixaram na mão, até mesmo quando a garantia já havia terminado.
    Obrigada Apple,
    Obrigada André

  2. Claive 5 de abril de 2016 em 16:53 - Responder

    Parabéns pelo conteúdo e a quantidade de informação.

    Muito bom esse blog que acesso diariamente.

  3. Diego 4 de abril de 2016 em 11:20 - Responder

    Mas que belíssima postagem, André!
    Parabéns!

  4. Anderson 3 de abril de 2016 em 8:34 - Responder

    Boa citação onde diz que a Apple nem sempre inventa, e sim aperfeiçoa e tangibiliza ideias.
    Assim como a interface gráfica, o tablet tb criado fora da Apple, mas ela que fez do produto um sucesso.
    Entrei para a Apple através do iPhone 4 e hj tenho iPhone, iPad e Apple Watch. Gosto da empresa, vejo excelência em seus produtos, mas no quesito serviços ele poderia melhorar. O iCloud Drive está a anos luz de integração e interface do Google Drive. O Google fotos é excelente e integra com vários dispositvos. O aplicativo nativo de e-mail é inferior ao de várias soluções.
    Porém é salutar que seja assim. Hj uso o Apple Music, mas talvez ele não fosse criado se nunca tivesse existido Spotify. Quanto mais empresas existirem oferendo produtos e serviços, melhor para nós consumidores é melhor para as empresas, forçando-as as melhoras continuamente.

    • André Darugna 4 de abril de 2016 em 21:06 - Responder

      Obrigado Anderson. Sobre o Apple Music, talvez o Spotify nunca tivesse sido inventado se não fosse a Apple ter criado um mercado de música digital, antes dominado pelo Napster. Sempre há que olhar para os antecedentes. A maçã realmente demorou para entrar no ramo da música por assinatura, mas é que o mercado dela era enorme e rentável. No mais, o iCloud Drive é muito mal entendido pelos usuários, mas o bom de tudo isso é que usando iOS você tem acesso aos serviços do Google, então pode viver o bom dos dois mundos.

  5. Ana Brito 3 de abril de 2016 em 6:09 - Responder

    Olá André! Que artigo tão interessante. Adorei ver o vídeo de apresentação do iPhone. Hoje em dia já tomamos estas tecnologias como certas, por isso foi curioso ver a introdução duma delas e de onde se estava a partir naquele momento. Conheci o mundo Apple através dum familiar que comprou um Mac por já estar farto de se desiludir constantemente com os PC. Ele foi a minha cobaia :). Depois dele experimentar durante um tempo e vendo a satisfação dele com o produto, aventurei-me. Mais tarde, precisando dum portátil para dar formação, pensei e se eu experimentasse dar aulas com um tablet ligado a um projetor? Mas qual tablet? Aí vim parar ao seu blog e fiquei convencida, comprei o ipad2 que só pus na reforma há umas semanas. Toda a gente me dizia que o sistema android era melhor, com mais aplicações gratuitas e maior compatibilidade. Mas algo me dizia que não e nunca, mas nunca mesmo, me arrependi. Mas também muito por causa do seu blog, onde aprendi a usufruir do iPad. E quanto aos argumentos sobre o android considero-os um mito, pelo menos a partir do meu percurso de utilização. Bom, e o discurso já vai longo :). Espero que a Apple dure muitos anos e que continue a fazer revoluções de qualidade. E o Ipaddicas também!

  6. Rogério 2 de abril de 2016 em 5:47 - Responder

    Que história mais incrível, rip Jobs, deixou saudades!

  7. pedro luis 1 de abril de 2016 em 17:32 - Responder

    boa André , belo resumo , história fantástica . parabéns

Deixar Um Comentário